Início » O Escritor » Romance » Saraminda

Saraminda

O ouro. Uma terra sem fronteira. Saraminda que vale seu peso em ouro. Uma navalha. O desejo, o feitiço. A mata.

Saraminda, lançado no Brasil em 2000, é um livro de grande sucesso, tanto no Brasil como no exterior. Foi traduzido para o romeno, espanhol, francês e húngaro. Na França, é um dos raros livros brasileiros a chegar à consagração da coleção Folio, de livros de bolso.

Com um enorme trabalho de pesquisa, que incluiu a exploração do centro histórico de Caiena, capital da Guiana Francesa, e o conhecimento da história do Amapá e do Contestado entre a França e o Brasil, na Questão de Fronteira vencida pelo Barão do Rio Branco em Genebra, José Sarney reconstitui uma época para escrever uma história de paixões e amores impossíveis. Saraminda, uma das raras personagens centrais da literatura brasileira que é negra, é uma força incontrolável que domina todos a sua volta, inclusive o leitor.

Fotos

Críticas

Este novo romance “Saraminda”, surpreende-me de outra maneira. Tenho para mim que o amor humano, a própria sensualidade, mais do que uma natureza é uma cultura. Que é no trama complexo, múltiplo, surpreendente e imprevisto das relações humanas que se vai destilando.

Antonio Alçada Baptista

*Romancista, ensaísta e cronista. Um dos nomes mais destacados da literatura portuguesa da segunda metade do sec. XX e início do XXI.

A dimensão mítica dessa “novela exemplar”, construída com um talento de mestre , de uma dimensão trágica sublimada em fantástico, do casal Cleto Monfim e da mulher de ouro “Saraminda”, sublinhando originalmente a dualidade “terra e ouro que no final se transformam em sangue, em um dos romances dos mais bem estruturados e bem narrados da ficção contemporânea”

Carlos Heitor Cony, Jornalista

Li Saraminda e quanto amei esse belo livro. Depois dos pescadores do Nordeste, José Sarney faz reviver os faiscadores de ouro de Caiena e do Amapá com a mesma sensibilidade aguda à realidade etnográfica permeada por um poderoso lirismo. Sarney reconstitui ao mesmo tempo um episódio esquecido, mas saborosamente pitoresco das relações da França com o Brasil.

Claude Lévi- Strauss

*Maior nome da etnologia francesa, Antropólogo

 

Leia também: