Close

Notas

Paulo Egydio

Foi com imenso pesar que o Brasil e eu pessoalmente recebemos a notícia do falecimento de Paulo Egydio Martins. Em 1950 fui eleito delegado do Maranhão ao Congresso Nacional da UNE. Tivemos problemas com nosso credenciamento e foi preciso procurar a ajuda da União Metropolitana dos Estudantes do Rio de Janeiro. O presidente era Paulo Egydio. Desde então ficamos amigos, nós e alguns outros participantes deste congresso — Célio Borja, Álvaro Americano, Júlio Niskier e muitos outros que se tornaram grandes nomes na vida nacional. Quando eu era governador do Continue a ler

José Maranhão

A pandemia de Covid-19 tem cobrado um alto preço da Humanidade, mas, além do sentimento da tragédia coletiva, nos marca profundamente a perda individual de amigos e companheiros de vida pública e de convivência, já com o peso de décadas. É com este sentimento que sinto agora o falecimento de um desses grandes amigos, companheiro de muitas batalhas e um homem íntegro e sempre solidário, o Senador José Maranhão, um dos maiores líderes políticos da Paraíba, derrotado na batalha contra a essa doença que o acometia  desde o segundo turno Continue a ler

Nota sobre a morte de Napoleão Sabóia

Foi com grande comoção e tristeza que recebi a notícia da morte de Napoleão Sabóia, a quem me ligavam quarenta anos de amizade. Trabalhamos juntos em O Imparcial. Quando Presidente da República o chamei para trabalhar em meu gabinete e com ele tive uma convivência fraternal durante o resto da vida. Era um grande talento e grande intelectual. Foi repórter de O Estado de S. Paulo e seu correspondente em Paris durante mais de vinte anos. Tinha na França relacionamento com grandes intelectuais e escritores, como Maurice Druon, Claude Lévi-Strauss, Continue a ler

Nota do ex-Presidente Sarney sobre declaração de Eduardo Bolsonaro

Fui o Relator no Congresso Nacional da Emenda Constitucional que extinguiu o AI-5, enviada pelo Presidente Geisel. Presidi a Transição Democrática, que convocou a Constituinte e que fez a Constituição de 1988. Sua primeira cláusula pétrea é o regime democrático. Lamento que um parlamentar, que começa seu mandato jurando a Constituição, sugira, em algum momento, tentar violá-la. Devemos unir o País contra qualquer desestabilização das instituições. E sei que expresso o sentimento do povo brasileiro, inclusive das nossas Forças Armadas, que asseguraram a Transição Democrática, que sempre proclamei que seria Continue a ler